Pular para o conteúdo principal

Postagens

Como o nexer mudou minha vida e poderá mudar a sua também

Em meu post - Roubaram seu veiculo, e agora?  -  relatei o drama vivido por mim para tentar recuperar o automóvel de minha esposa que havia sido roubado. Fazer seguro veicular com uma boa seguradora é apenas uma entre tantas ações importantes para evitar surpresas desagradáveis. Como detalhado no post, o trauma foi grande, mas a saga para reaver o carro parecia não ter fim.  Foram 52 dias sem o carro,  inúmeros telefonemas, emails, mensagens, documentos digitalizados,  e dinheiro gasto.  O processo poderá fazer você perder o sono, dinheiro e tempo produtivo. Depois de experimentar o transtorno, comecei a procurar por tecnologias que pudessem minimizar o drama. Talvez por desleixo ou por simples ignorância, eu considerava os rastreadores de carro um item de luxo, que era desnecessário e caro. Havia dispositivos excelentes no exterior, mas não encontrava nenhum a altura no Brasil.  Como gosto de carros, estou sempre atento as tendências e principalmente nas apostas que as grand
Postagens recentes

Roubaram seu veiculo, e agora?

Muitas vezes temos a falsa sensação de que apenas mantendo o veiculo assegurado, não teremos nenhuma dor de cabeça. Bom, não é bem assim... Nas linhas seguintes relato minha experiência recente, e espero que seja útil para que você se previna. Em outubro do ano passado, ao chegar à clínica para trabalhar, minha esposa teve seu carro roubado (a mão armada). Os bandidos levaram também sua bolsa com todos os seus documentos e o celular. O susto foi grande, bem como as lembranças traumáticas. Grande também foi a maratona para reconquistar os bens perdidos. Ela me ligou do telefone de uma colega de trabalho, e entre soluços e choro, entendi que precisava da minha ajuda. Sai da empresa e fui busca-la para fazermos um boletim de ocorrências, bloquearmos os cartões de crédito, o telefone e solicitar novos documentos. Ligamos também para o nosso corretor, que registrou o sinistro junto a seguradora. O veículo foi encontrado 6 dias após o assalto, em um desmanche clandestino na cidade

ITV - A quem interessa?

Sexta passada, 09/12/2017, após anúncio da resolução do Conselho Nacional de Trânsito, o CONTRAN, sobre as regras para implantação da inspeção veicular até 2019, não faltou críticas nos principais jornais da televisão brasileira. Na TV Cultura, o comentarista Alberto Pfeifer , pergunta: “ Eu queria saber em qual pais tem essa inspeção veicular ai …” e continua: “ a questão dos poluentes, tem que ser regulada na fábrica. A fábrica tem que soltar os automóveis dentro das especificações. Não pode passar isso para o consumidor. E mesmo a manutenção destas emissões tem que ser combinada com a fábrica, nas manutenções periódicas dos automóveis. Outra coisa, a garantia da segurança veicular,  tem que ser combinada com as seguradoras, são as maiores interessadas ”, e arremata condenando com a frase: “ esse tipo de atuação arbitrária do estado pondo um custo adicional, uma sobretaxa adicional, é uma medida injustificável .” (fonte:  http://tvcultura.com.br/videos/63614_jornal-da-cultura-08

Quem aprova a reprova?

Será que estamos mesmo no caminho? A reportagem da Band News  revelou que diversas empresas de vistorias veicular credenciadas pelo Detran/SP simplesmente ignoram normas da resolução CONTRAN 466/2013 Tinha esperança de ver a evolução da vistoria de identificação pra inspeção periódica de segurança veicular, seguindo uma das normas mais completas que já vi, a ABNT NBR 14040 - que pasmem... completará 20 anos, ano que vem. Na reportagem a equipe da emissora, modifica propositalmente um veiculo para que haja inconformidades fáceis de serem observadas, mas que reprovaria o veiculo impossibilitando que processos de regularização junto ao Detran/SP fossem viabilizados. Hoje, ou as empresas aprovam veiculo com irregularidades, ou avisam verbalmente sobre seus defeitos, perdendo a oportunidade de registra-los em sistema, pois isso geraria a "Reprovação" - termo estigmatizado e que pode sim causar transtornos comerciais (laudo reprovado é considerado pelo proprietário do